POPULAÇÃO DO EBO JÁ BENEFICIA DOS SERVIÇOS DO CASI

    0
    191

     A população do Município do Ebo, Província do Cuanza – Sul, começou nesta quinta – feira, 13 de Janeiro de 2022,  a beneficiar dos serviços do Centro de Acção Social Integrado (CASI), no âmbito do Programa de Fortalecimento da Protecção Social KWENDA.

    O corte da fita esteve a cargo do Governador Provincial, Job Pedro Castelo Capapinha, contando igualmente com as presenças da Directora Provincial do FAS no Cuanza-Sul, Carolina Maricel Aguiar,  da  Vice governadora para Área Económica e Social no Cuanza –Sul, Emília Cambundo Camuhoto, do Administrador Adjunto para Área Económica e Social do Ebo, António Barros César Manuel e da Directora do Gabibete de Acção Social Família e Igualdade de Género, Anastácia Solano António . Marcaram ainda presença membros da sociedade cívil, autoridades tradicionais e funcionários da administração local. Com a inauguração  do CASI no Ebo, a Província do  Cuanza – Sul passou a ter dois CASI em funcionamento, depois do Seles.

    O CASI é a materialização da componente da Municipalização da Acção Social, cujo objectivo é aproximar os cidadãos aos serviços essenciais, como aquisição de Registo de Nascimento, Bilhete de Identidade, bem como mediar conflitos de vária ordem nas comunidades, como fuga à paternidade, violência doméstica, violência contra a criança, violência contra a pessoa idosa, entre outros.

    A primeira componente é o das Transferências Sociais Monetárias, que atribui a cada Agregado familiar um valor trimestral de 25.500 Kz.  A Inclusão Produtiva visa incluir as famílias em actividades geradoras de rendimento. E o Cadastro Social Único, base de dados que congrega todas as informações sobre a pobreza e vulnerabilidade com base na qual o Estado irá traçar as políticas de protecção social.

    O KWENDA é um programa do Executivo angolano que visa criar políticas de apoio às famílias mais vulneráveis e em situação de pobreza no país. Avaliado em 420 milhões USD, é financiado em 320 milhões USD pelo Banco Mundial, sendo os outros 100 milhões USD, provenientes do Tesouro Nacional. É operacionalizado pelo FAS – Instituto de Desenvolvimento Local, agência governamental, dotada de personalidade jurídica e autonomia financeira e administrativa, que, em coordenação com outros programas de combate à pobreza, contribui na promoção do Desenvolvimento sustentável e redução da pobreza.