Projecto crescer

0
179

Cento e duas aldeias selecionadas para a fase piloto da pesquisa sobre desnutrição no sul de Angola

Projecto Crescer- Pesquisa Operacional sobre Desnutrição Crónica Infantil em Angola, cujo papel do FAS é garantir que os termos do acordo de financiamento sejam cumpridos, seleccionou, de 22 a 25 de Fevereiro de 2022, 102 bairros e aldeias dos Municípios alvos na Huíla e Cunene.
A selecção é concernente a Fase Piloto, incidindo sobre desnutrição crónica em mães grávidas e crianças menores de 5 anos.

Das 102 aldeias selecionadas, 33 pertencem a Comuna de Libongue, Município do Chicomba, e 20 na Comuna Sede do Município da Jamba, Província da Huíla; 18 na Comuna do Otchinjau, Município da Cahama, e 31 na Comuna da Mupa, Município do Cuvelai, Província do Cunene.
Estiveram presentes no processo a Coordenadora Geral do Projecto, Elena Trigo, do FAS- Instituto de Desenvolvimento Local, Lourdes Faria, Administradores Comunais, supervisores, Assistentes de Actividades Comunitárias, autoridades tradicionais e religiosas. Para além do processo de selecção. O encontro serviu também para explicar às autoridades locais a necessidade de seleccionar os Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário- (ADECOS), para interagirem directamente com as comunidades.

O Projecto Crescer é a materialização da IV componente do FRESAN-Programa de Fortalecimento da Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional em Angola, tem como objectivo contribuir para a redução da pobreza e vulnerabilidade à insegurança alimentar e nutricional nas províncias do sul de Angola, nomeadamente, Huíla, Namibe e Cunene, focado na agricultura familiar, acesso à água, sistemas de informação sobre segurança alimentar e nutricional e adaptação às alterações climáticas.

Financiado pela União Europeia, o Projecto conta com a contribuição dos cinco parceiros do consórcio, nomeadamente, o Instituto de Investigação Val d Hebron (VHIR), FAS-Instituto de Desenvolvimento Local, Instituto de Saúde Carlos III(CIII), ACF-Acção Contra a Fome e a Universidade Mandume Ndemofaio (UMN).