Famílias no Golungo Alto já ‘vivem’ o KWENDA

    0
    58

    As famílias em situação de pobreza e vulnerabilidade do Município de Gulungo Alto, Província do Cuanza-Norte, começaram nesta quinta-feira, 23 de Junho de 2022, a beneficiar das Transferências Sociais Monetárias no âmbito do KWENDA – Programa de Fortalecimento da Proteção Social.

    Foram selecionados 4.511 Agregados Familiares, após um rigoroso cadastramento feito casa a casa nos diferentes bairros e aldeias do Município.
    As famílias seleccionadas estão a receber 51.000 kz, referentes a seis meses, através da modalidade multicaixa.

    O Bairro Mutamba foi o escolhido para acolher a cerimónia de início, onde se fizeram presentes a Vice-Governadora para o Sector Política Económico e Social do Cuanza-Norte, Leonor Garibaldi, a Directora Provincial do Gabinete da Acção Social Família e Igualmente de Gênero (GASFIG), Victoria Francisco, a Administradora Municipal, Luzia José, o Director Provincial do FAS, Lourenço Matias, e a população local.

    No Cuanza-Norte, o KWENDA através das Transferências sociais Monetárias, já beneficiou 1.887 Agregados Familiares no Município do Quiculungo e prevê beneficiar de 18 mil Agregados Familiares nos demais municípios já cadastrados.

    O Programa é composto por quatro componentes, nomeadamente: Transferências Sociais Monetárias, que visa atribuir uma renda às famílias;
    a Inclusão Produtiva, que visa apoiar as iniciativas económicas das famílias dos municípios alvo do Programa, a Municipalização da Acção Social, concretizada com a construção de Centros de Acção Social Integrados (CASI). Essas infraestruturas procuram aproximar os cidadãos dos serviços essenciais, como aquisição dos Registos de Nascimento e Civil, bem como intermediar conflitos de vária ordem; o Reforço do Cadastro Social Único é uma plataforma que reúne os dados dos cidadãos em situação de pobreza e vulnerabilidade através dos quais o Estado traça as políticas de protecção social.

    O KWENDA é um programa do Governo de Angola, cuja responsabilidade de implementação está a cargo do FAS – Instituto de Desenvolvimento Local. Implementado desde 2020, visa apoiar em todo o País 1.608.000 famílias angolanas em situação de pobreza e vulnerabilidade. Financiado em 320 milhões USD pelo Banco Mundial e em 100 milhões pelo Tesouro Nacional, já está em 52 municípios das 18 Províncias.